quarta-feira, 12 de julho de 2017

6 passos para gastar menos do que ganha, não importa o seu salário

Quando há metas bem definidas, poupar não se torna um martírio e sim um estilo de vida, que levará a muito mais realizações e conquistas 

Gastar menos do que se ganha parece uma tarefa simples, mas exige mudanças comportamentais imediatas para que não falte dinheiro no decorrer do mês e, ainda, uma parte seja separada para investir.

O presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), Reinaldo Domingos, dá cinco dicas para começar a organizar o orçamento para gastar menos do que a renda mensal e programar investimentos. Veja:

1 - Reveja seu padrão de vida 

Se as contas não estão fechando, é hora de repensar totalmente as suas finanças e repensar o seu padrão de vida. Cortar gastos é uma atitude necessária para ganhar fôlego. "Pode parecer difícil. mas é fundamental observar que não é sustentável viver uma realidade que não é a sua", afirma Domingos.

2 - Analise os pequenos gastos

É importante ficar atento aos pequenos gastos. Despesas e compras feitas de forma desordenada acabam se tornando grandes ralos por onde escoam as economias. Em média, 25% dos gastos mensais são supérfluos e/ou desnecessários, de acordo com o educador financeiro. "As pessoas sempre dizem que não tem mais de onde reduzir os gastos, mas, ao fazer uma boa análise, observam que é possível", acrescenta.

3 - Faça um diagnóstico financeiro

Para identificar os gastos extras é preciso fazer um diagnóstico da vida financeira por 30 dias, anotando tudo o que gasta, separando por tipo de despesa, incluindo cafezinhos e gorjetas. Assim, verá uma realidade muito diferente do que imagina.

4 - Priorize seus sonhos   

Muitas pessoas deixam para poupar para os seus objetivos quando - e se - sobrar algum dinheiro no final do mês. Se tiver fazendo dessa forma, dificilmente conseguirá conquistar seus sonhos no momento desejado.

"Recomendo que, a partir de agora, mude o modelo mental relacionado a forma de fazer um orçamento financeiro. É chegada a hora de priorizar aquilo que realmente importa, os sonhos e as metas pessoais e familiares", aconselha Domingos. Para colher resultados diferentes é preciso agir diferente, mudar atitudes e hábitos.

5 - Pratique um orçamento diferente

Observe como funciona o seu orçamento hoje. A maioria das pessoas faz a seguinte conta: ganhos (-) gastos = lucro/prejuízo. "Não adianta esperar que, assim, sobre algum dinheiro ao final do mês para poupar". As pessoas tem a tendência de gastar enquanto tiver dinheiro. É natural, mas é algo que tende a levar a frustração por não conseguir realizar seus sonhos.

O especialista apresenta um novo cálculo: ganhos (-) sonhos (-) gastos, Dessa forma, não há lucro ou prejuízo, as contas batem e você estará priorizando seus objetivos e ajustando seu padrão de vida ao valor que sobrar,

Para isso, logo que receber o salário, já se deve retirar a quantia mensal necessária para a realização do sonho, colocando esse dinheiro a melhor opção de investimento de acordo com o prazo e objetivo.

6 - Pense no curto, médio e longo prazo

É importante que tenha pelo menos três sonhos ao mesmo tempo: um de curto prazo (a ser realizado em 2017 - ou nos próximos 12 meses - para adultos e no próximo mês para crianças), outro de médio prazo (entre um e 10 anos para adultos e entre um e seis meses para crianças) e um de longo prazo   (a ser realizado a partir de 10 anos para adultos e a partir de seis meses para crianças).

"Veja que é muito mais uma questão de mudança de comportamento do que fazer contas ou ter que se privar de algo. Quando temos metas bem definidas em nossas vidas, poupar não se torna um martírio e sim um estilo de vida, que levará a muito mais realizações e conquistas", afirma o educador financeiro.




m onde-investir





sábado, 1 de julho de 2017

Mercado de e-commerce cresce 9,23% no Brasil e alcança 600 mil lojas

Segundo estudo publicado pelo PayPal, mercado estaria mais maduro. No entanto, tempo médio de vida das lojas ainda é baixo: 6 meses.




O mercado de e-commerce registrou crescimento de 9,23% no número de lojas entre junho de 2016 e junho de 2017, de acordo com uma nova pesquisa publicada pelo PayPal nesta quinta-feira, 29/6. 

Intitulado “O Perfil do E-commerce Brasileiro 2017”, o estudo feito pela BigData Corp a pedido do PayPal aponta que o país superou a marca de 600 mil sites de e-commerce, em comparação com 547 mil no ano anterior – e 360 mil no cada vez mais longínquo ano de 2014.

Apesar de ainda significativo, o crescimento é menor do que o registrado em 2016 e 2015, quando o setor cresceu, respectivamente, 21,52% e 24,67%. Segundo o relatório, essa taxa mais baixa de crescimento acontece, em parte, porque o mercado brasileiro de e-commerce está mais maduro. 

“Vejo isso com bons olhos. Um mercado maduro é melhor para o consumidor e para o sistema como um todo”, explica o CEO da BigData Corp, Thoran Rodrigues, que destaca ainda que o tempo médio de vida de lojas on-line no país dobrou de 3 meses para 6 meses no último ano.

Sites de grande visitação “explodem”

Outro ponto importante do estudo é o fato do número de e-commerces de grande visitação, com mais de 500 mil visitas mensais, ter basicamente explodido neste último ano, passando de 0,76% para 14,77% do total de lojas virtuais no país. 

Entre os motivos para esse boom estão o crescimento do uso de mídias sociais “alternativas” – que não seja o Facebook, basicamente – como plataformas de divulgação desses sites. Os grandes exemplos de redes “alternativas” que cresceram neste segmento no último ano são o YouTube, do Google, e o Instagram, do próprio Facebook.

No escuro

Apesar de estar mais maduro em muitos sentidos, o mercado brasileiro de e-commerce ainda tem alguns pontos negativos que chamam a atenção. A porcentagem de lojas virtuais que utilizam recursos de análise automatizada sobre visitas aos sites, como o Google Analytics, cresceu bastante no último ano, de 59% para 70%, mas isso ainda significa que quase um terço das lojas on-line brasileiras continuam “no escuro”, sem utilizar uma dessas ferramentas.


by Luiz Mazetto, IDGNow!


Aumenta Número de Trabalhadores que Muda de Profissão aos 40 anos


Não são raros os casos de trabalhadores que decidem deixar as antigas carreiras para apostar em novas áreas.

De acordo com o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola), há no país cerca de 7,2 mil estudantes com esse perfil estagiando em organizações públicas e privadas. Uma pesquisa do IBGE mostrou que mais cidadãos acima de 60 anos não estão aposentados e vivendo somente com o salário.

Para quem tem medo de se aventurar, os especialistas afirmam que as empresas têm começado a ver vantagens em contratar profissionais mais velhos.

Uma boa inspiração é assistir "Um senhor estagiário", filme de 2015, que conta a história de um site de venda de roupas que oferece uma oportunidade de estagiário-Senior. O anúncio é visto pelo personagem de Robert De Niro como uma chance de se reinventar.

Adaptado de Folha de S. Paulo


Cibele Nardi, Coach

quinta-feira, 15 de junho de 2017




As 87 franquias mais baratas para abrir em casa


   Os dados fazem parte do Guia de Franquias 2016/2017 da PEGN

* O capital inicial total é a soma do capital inicial, do capital de giro (mínimo, máximo ou fixo) e da taxa de franquia.

Empresa Setor Tipo de negócio Capital inicial total (em R$) *
College Personal English Ensino de idiomas Ensino de idiomas 2.930,00
Clube Turismo  Cultura e lazer Viagem e turismo 3.900,00
Freewet Veículos Lava-rápido 3.990,00
Marca Protegida Serviços gerais Registro de marcas e patentes 5.250,00
CI Cultura e lazer Viagem e turismo 6.000,00
Restaura Jeans Serv de limpeza e de conservação Lavanderia e tingimento 6.500,00
Ahoba Viagens Cultura e lazer Viagem e turismo 7.200,00
Tourlines Viagens e Turismo Cultura e lazer Viagem e turismo 7.900,00
Lakma Dermocosméticos Cosméticos, perfumaria e farmácia Cosméticos e perfumes 9.250,00
Mídia do Pão Serviços gerais Publicidade e propaganda 10.000,00
Madm Business Serviços gerais Software e serviços 13.000,00
Little Kickers Brasil Saúde e bem-estar Academia e esporte 14.500,00
Flyworld Viagens e Franquias Cultura e lazer Viagem e turismo 14.800,00
Light Depil Saúde e bem-estar Clínicas e estética corporal 14.900,00
Auto Spa Express Veículos Lava-rápido 14.900,00
Doutor Auto Dry Veículos Lava-rápido 15.230,00
PremiaPão Serviços gerais Comunicação e sinalização 15.850,00
Web4br - Agência de Marketing Digital Serviços gerais Software e serviços 17.000,00
Badalado Cultura e lazer Eventos 18.750,00
Limpeza com Zelo Serv de limpeza e de conservação Limpeza de ambiente 18.800,00
Poltrona 1 Turismo Cultura e lazer Viagem e turismo 18.858,00
Jornal do Síndico Serviços gerais Comunicação e sinalização 20.000,00
Mais Depil Saúde e bem-estar Clínicas e estética corporal 20.750,00
Elefante Verde Serviços gerais Comunicação e sinalização 20.750,00
GRPMais Revistas Serviços gerais Revistas 22.250,00
Publybrasil Serviços gerais Propaganda 22.500,00
Chipbras  Veículos Tecnologia automotiva 22.500,00
Tutores  Treinamento e cursos Ensino complementar 22.750,00
AcquaZero Veículos Lava-rápido 22.800,00
Miss Pink Cosméticos, perfumaria e farmácia Cosméticos e perfumes 25.00000
Number One Ensino de idiomas Ensino de idiomas 25.000,00
Webzero Serviços gerais Software e serviços 26.000,00
Gigatron  Serviços gerais Software e serviços 26.500,00
Dr. Jardim  Serv de limpeza e de conservação Limpeza de ambiente 26.500,00
Doutor Faz Tudo  Serviços gerais Manutenção e reparos 26.500,00
Vida de Ouro Corretora de Seguros e Previdência Serviços gerais Corretora de seguros 27.700,00
Jan-Pro do Brasil Serv de limpeza e de conservação Limpeza de ambiente 27.900,00
Mr. Kids Cultura e lazer Brinquedos 28.750,00
Franquia Portal de Cidade Serviços gerais Publicidade e propaganda 28.750,00
Master House Soluções Casa, decoração e presentes Móveis e decorações 28.850,00
Home Angels  Saúde e bem-estar Cuidadores de pessoas 29.000,00
Biohouse Terapias Saúde e bem-estar Clínica médica 35.000,00
Planet Limp Serv de limpeza e de conservação Limpeza de ambiente 35.000,00
The Kids Club - inglês a partir dos 02 anos Ensino de idiomas Ensino de idiomas 35.500,00
Procob Serviços gerais Software e serviços 36.360,00
Multiply Consultoria Serviços gerais Consultoria 37.000,00
Disk Fácil Franchising Serviços gerais Comunicação e sinalização 39.500,00
Eventt Indoor Marketing TV Serviços gerais Comunicação e sinalização 41.900,00
Rede Agora eu Acho Serviços gerais Comunicação e sinalização 42.500,00
Delivery Much Serviços gerais Software e serviços 42.500,00
Home Depil  Saúde e bem-estar Clínicas e estética corporal 43.000,00
Limppo Multiserviços  Serv de limpeza e de conservação Limpeza de ambiente 43.500,00
San Martin Serviços gerais Seguros 43.900,00
Net Branding Treinamentos Treinamento e cursos Treinamentos empresariais 46.500,00
Tempero da Terra Alimentação Especiarias 47.500,00
Senhor Computador Serviços gerais Serviços de informática 48.000,00
Xtire Franquias Veículos Blindagem de pneu 48.500,00
Visiting Angels Saúde e bem-estar Cuidadores de Idosos 54.100,00
Studio E-Fiscal Serviços gerais Consultoria fiscal e tributária 55.000,00
Help Home Serviços gerais Reformas, reparos e manutenções 55.000,00
Learning Fun  Ensino de idiomas Ensino de idiomas 56.500,00
Manager Administração de Condomínios Serviços gerais Administração de condomínios 57.000,00
Guia-se Negócios Pela Internet  Serviços gerais Comunicação e sinalização 59.400,00
Campinas Celulares Franquias Serviços gerais Conserto de eletrônicos 60.000,00
Pentagonal Seguros Serviços gerais Corretora de seguros 65.900,00
Sidrakk Publicidade Serviços gerais Portais Internet 71.500,00
Central de Materiais Serviços gerais Administração da venda de materiais e ativos 75.000,00
Inoivando Serviços gerais Software e serviços 75.500,00
Walking Party Cultura e lazer Entretenimento 80.000,00
Five Star Painting Serviços gerais Pintura especializada 83.000,00
Studio Brokers Serviços gerais Intermediação e avaliação de negócios 90.000,00
Criar - Redação Treinamento e cursos Redação para vestibulares 90.000,00
AGQ Brasil Treinamento e cursos Treinamento em sistemas de gestão 95.000,00
Limpidus Serv de limpeza e de conservação Limpeza de ambiente 100.730,00
Container Segurança Serviços gerais Entrega expressa e transporte 118.300,00
Kombosa Shake Cafeteria e confeitaria Sorvetes 135.000,00
Tk Ingressos.com.br Serviços gerais Software e serviços 135.000,00
10 Pastéis Alimentação Fast-food 160.000,00
Studio Fiscal Serviços gerais Consultoria fiscal e tributária 165.000,00
Canvas360 Serviços gerais Software e serviços 197.500,00
Boteco Em Casa Alimentação Buffet 221.000,00
Hiperservice Manutenções & Serviços Serv de limpeza e de conservação Manutenção de postos de combustíveis 243.520,00
Sucão Franchising Alimentação Fast-food 249.500,00
Ideia Mídia Serviços gerais Mídia out of home 267.500,00
Inovar Locações Serviços gerais Locação e venda de equipamentos 294.900,00
Via Mia Vestuário, calçados e acessórios Acessórios 305.000,00
Era Brasil Serviços gerais Consultoria 312.500,00

Foram desconsideradas as redes que não informaram alguns dos valores necessários para o cálculo do capital inicial total.




6 maus hábitos com dinheiro que podem arruinar seu negócio

Quando se é empreendedor, é preciso ter cuidados especiais com o dinheiro; veja quais


Nenhum empreendedor começa um novo negócio com a intenção de falir em poucos meses, mas, infelizmente, é o que acontece com boa parte deles.

Entre os vários fatores que se relacionam para que um empreendimento seja bem sucedido, os principais têm a ver com o uso do dinheiro. Diante disso, o site americano Entrepeneur elencou seis maus hábitos com o dinheiro que podem levar seu negócio à falência.

1. Não se preocupar com “dinheiro pequeno”

Este é um grande problema, principalmente ao se tratar de empreendedores que vendem produtos baratos. Muitas vezes não se dá importância à venda de um único produto, mas no final do dia, ao somar todos os centavos conquistados, há centenas ou milhares de reais.
É preciso aprender que cada centavo importa. Se você gastar sem se preocupar, apenas porque se trata de uma pequena quantia, no fim do mês terá um grande rombo no orçamento e não saberá por quê.

2. Não diversificar o fluxo de renda de sua empresa

Embora seja verdade que o foco é um ponto importante do sucesso de um empreendimento, muitos se enganam com essa máxima e não diversificam o negócio. Você não deve se cegar para oportunidades, tentar novas possibilidades é a forma mais potente de alcançar um largo mercado e aumentar a receita de sua empresa.

3. Não economizar

Pode parecer uma dica boba, já que economizar é a forma mais fácil de cuidar de seu dinheiro, mas quando se tem um negócio, isso pode parecer mais difícil.
Ao ser empreendedor, é preciso se comprometer em guardar algum dinheiro, pois ele pode ser muito útil para investir quando você se depara com oportunidades de negócio inesperadas.

4. Não se esforçar para reduzir as dívidas

É comum pedir empréstimos para abrir um negócio, ou criar dívidas no cartão de crédito da empresa e não conseguir pagar. Pague essas dívidas o quanto antes, especialmente com o cartão de crédito, evitando assim os altos juros.
Se não conseguir quitar tudo, divida em pequenas parcelas, sem falhar.

5. Não aproveitar deduções fiscais e amortizações

Existem certos caminhos legais para o alívio de impostos, bem como as deduções fiscais. Não aproveitar essas oportunidades é injusto com sua empresa. Na realidade, muitos proprietários de pequenas empresas desconhecem o funcionamento dessas deduções. Consulte um profissional para obter orientações neste sentido.

6. Não ter um salário

Você não precisa usar o termo salário, mas o fato de você ser  empreendedor, não significa que você deve considerar o lucro da empresa como lucro pessoal, você precisa subtrair também seus gastos individuais e familiares. Receber regularmente uma quantia sempre parecida é uma forma de respeitar seu negócio.



by EP&GN

domingo, 30 de abril de 2017

3 Maneiras de Ser Um Líder Positivo






Num mundo repleto de compromissos e stress, com excessiva frequência encontro líderes que agem como motoristas de ônibus alucinados e impetuosos que tem uma visão e uma meta à frente e atropelam qualquer um (inclusive seus próprios funcionários) com o intuito de alcançar o seu destino. Eu bem sei disso pois no início da minha carreira eu era exatamente esse tipo de líder e precisei dar duro para mudar a minha abordagem.

Cheguei a conclusão que qualquer líder que pegue pesado pode obter êxito no curto prazo, mas que seria necessário um líder positivo, com um foco em pessoas e processos, para construir a longo prazo uma organização de sucesso.

Tem uma frase que li recentemente na web que traduz muito bem essa questão: ”Se você está sozinho no topo, você não é um líder. É um alpinista”.

Ninguém alcança o sucesso sozinho. Para vencer nos negócios, você precisa vencer com pessoas. Atropelá-las só te leva, no máximo, até um certo ponto. Para alcançar sucesso real e permanente você tem que cuidar das pessoas e investir nelas. Veja a seguir 3 maneiras básicas de fazer isto.

Preocupe-se com eles – As 2 principais questões que todo funcionário em toda empresa traz à tona são: “Você se preocupa comigo? Posso confiar em você?” Funcionários querem saber se você se preocupa com eles. Se sim, é bem provável que irão ficar e trabalhar contigo. Sem dúvida, eles estarão mais engajados e vão operar no limite máximo do seu potencial. Portanto não esqueça: se assegure que os gerentes vão cuidar deles.

Desenvolva uma relação com eles – Demasiados gerentes e líderes compartilham regras com suas equipes, mas não controem um relacionamento com elas. E o que acaba acontecendo? Elas se rebelam e se desengajam não só de suas funções mas também da missão do time. Muitos gerentes já me escreveram contando que meus posts os ajudaram a perceber que necessitavam focar menos nas regras e investir mais nos seus relacionamentos no trabalho. E quando esta mudança de atitude acontecia, o resultado era um crescimento significativo no desempenho e na produtividade da equipe. Para desenvolver um relacionamento com seus funcionários, você precisa criar um clima de confiança, ouvi-los, abrir espaço para eles na sua agenda, reconhecê-los e finalmente oferecer coaching continuamente.

Tenha consideração por eles – A principal razão pela qual as pessoas saem das empresas é porque não se sentem valorizados. Doug Conant, CEO da Campbell Soup, escreveu mais que 16.000 mensagens de agradecimento para os funcionários nos últimos sete anos e nesse interim criou um negócio intensamente positivo. Será que é tão difícil dizer (ou escrever) “Obrigado”? A verdade é simples: quando você se preocupa com seus funcionários e as pessoas com as quais você trabalha, elas ficam mais dispostas a dar duro, atuar com lealdade e com uma energia positiva maior. Consequentemente, elas tendem a compartilhar essa energia positiva com seus clientes, alavancando o atendimento e o resultado final. A melhor estratégia de atendimento ao cliente não tem nada a ver com atendimento em si, mas com a forma que você trata seus funcionários. Se você desenha e incorpora um atendimento fora-de-série, ele vão oferecer um atendimento fora-de-série.

Em suma
Lembre-se: liderança não é apenas aquilo que você faz, mas o quanto você é capaz de inspirar, de encorajar e de dar autonomia para os demais realizarem. Ao invés de atropelar as pessoas do seu time (ou da sua organização), convide-as a entrar no ônibus com você e engaje-as na criação de um itinerário incrível e bem-sucedido.

Concorda? Não? Você tem uma estratégia de liderança positiva que gostaria de adicionar a este post?
Nestas e em outras habilidades, conte comigo,






3 lições do Habib´s para quem quer empreender



Filho de imigrantes portugueses, Alberto Saraiva sonhava em ser médico. Depois de três anos de curso preparatório, conseguiu uma vaga na graduação da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Mas, no primeiro ano do curso, um trágico incidente o desviou de seu rumo.

Alberto Saraiva, fundador do Habib's: negócio da rede é preço baixo e alto volume


“Meu pai se mudou para São Paulo e comprou uma padaria na Freguesia do Ó. Poucos meses depois, a padaria foi assaltada e ele faleceu durante o episódio. Tive que trancar a faculdade para assumir o lugar dele. Era a pior padaria do mundo”, conta Saraiva. A solução para salvar o negócio? Vender pão barato, muito mais barato que a concorrência.

Foi com este modelo que ele fundou negócio atrás de negócio – foram botecos, cantinas, pizzarias e pastelarias – e vendeu negócio atrás de negócio, até acertar em cheio com a bandeira Habib´s e guardar definitivamente na gaveta o diploma de médico, que fez questão de receber, apesar de nunca ter exercido a profissão.

Confira a seguir algumas lições que podem ser tiradas da trajetória de sucesso de Saraiva e aplicadas ao seu negócio:

1. Encontre um diferencial
Em todos os negócios que montou, Saraiva apostou na mesma fórmula: vender barato e vender muito. “Para salvar a padaria, vendia o pão 30% abaixo da tabela da Sunab. Em pouco tempo tinha fila de padeiros na porta querendo comprar o meu pão para revender”, relembra.
Foi com a mesma estratégia que ele transformou comida árabe em fast food, destacando-se da concorrência pela estratégia agressiva de preço. “Quando inaugurei o Habib´s, determinei que três esfihas custariam o preço de um cafezinho. E é assim até hoje. Com o preço de um combo do fast food concorrente, você come 20 esfihas do Habib’s”, gaba-se.

2. Coloque a mão na massa
Antes de abrir a primeira unidade do Habib´s, na Rua Cerro Corá, Alto da Lapa, em São Paulo, Saraiva colocou a mão na massa. Foi com Paulo Abud, cozinheiro de mão cheia que trabalhou durante muitos anos em restaurantes da região da Rua 25 de março - reduto da imigração árabe na cidade -, que Saraiva aprendeu a fazer esfihas.

“Eu estava abrindo um restaurante na Rua Lins de Vasconcelos e ele, com 78 anos, veio me pedir um emprego de cozinheiro. Disse que não aguentava a mulher buzinando no seu ouvido o dia inteiro”, relembra. Saraiva garante que sempre aprendeu a fazer todos os pratos servidos em seus restaurantes. “Aprendi desde cedo que tinha que saber como funcionava tanto a parte da frente quanto a parte de trás do negócio”, diz.

3. Não tenha medo de diversificar

Embora o Habib’s tenha nascido como uma rede tipicamente árabe, como o próprio nome denuncia, Saraiva não hesitou em abrir o leque de opções. Itens como o pastel e a pizza – que o empreendedor aprendeu a fazer durante suas experiências anteriores de negócio – e o pastelzinho de Belém – herança da família portuguesa – foram parar no cardápio do restaurante e nunca mais saíram de lá.

Recentemente, o bolinho de bacalhau também foi introduzindo no menu. Outro sucesso imediato. Sem medo de errar, Saraiva recheou cada vez mais o cardápio e multiplicou as fontes de receita da rede, que conta com mais de 340 unidades abertas e fatura R$ 900 milhões ao ano.



por Alexandre Pisapio

     

             3 Dicas para Reagir ao Fracasso


A maioria das falências de empresas (67%) são causadas ​​por problemas internos de controle e de gestão – não por má sorte e eventos externos, como uma recessão econômica.





Cada um reage de forma diferente ao fracasso, alguns imediatamente acusam os outros, enquanto outros culpam a si mesmos e se rebaixam de forma injusta. Da próxima vez que você e sua equipe falharem, resista à tentação de se auto culpar. Em vez disso tome estas três iniciativas:

1. Pense antes de agir. Não responda imediatamente ou impulsivamente. Se o fizer, as coisas podem piorar ainda mais. Aproveite o tempo para avaliar o máximo de interpretações possíveis sobre o ocorrido e como você pode reagir.

2. Ouça e comunique. Jamais assuma o ponto de vista de outra pessoa ou que você sabe exatamente o que os outros estão pensando. Reúna o máximo de opiniões e informações e depois explique as suas próprias ações e intenções.

3.Aprenda a lição. Erros acontecem. Pode ser que você, mais alguém ou ninguém seja o culpado. Crie e experimente diferentes hipóteses que mostrem como e por que a falha aconteceu, e previna para que não aconteça novamente. 




by B.Dattner

quinta-feira, 16 de março de 2017

20 ideias de negócio inusitadas – mas que acabaram dando certo

Conheça algumas pequenas empresas que apostaram em propostas inusitadas para se dar bem – e, no fim, o risco acabou valendo a pena.

                        Surpresa: alguns empreendedores arriscam abrir negócios inusitados - e esse risco pode valer a pena (Thinkstock)

Ter uma ideia de negócio diferente é um dos maiores desafios de quem quer empreender – tanto que muitos acabam desistindo de inovar e apostam em negócios mais tradicionais. Porém, para os que persistem e dão asas à imaginação, o risco tomado pode valer a pena.

É o caso dos negócios listados abaixo: eles partiram de ideias inusitadas e já rendem hoje lucros aos seus empreendedores. Tais inovações estão em setores tão diferentes quanto casamentos e construções, por exemplo.

Confira quais são essas empresas e se inspire para abrir seu próprio empreendimento!

1. Academia só para fazer spinning



A Spin‘n Soul foi fundada em 2014 e é uma rede de academias focada em apenas uma atividade: o spinning. Todo o ambiente foi pensado para facilitar o esporte – desde as bicicletas até a escolha das músicas e dos vestiários com elementos relaxantes.

Hoje, o negócio tem uma base de 21 mil clientes. A reserva e o pagamento de cada aula podem ser feitos online, com cobranças individuais. Apenas no ano passado, o negócio faturou 2,5 milhões de reais.

2. Camarões pela internet



Comprar frutos do mar por meio de uma loja virtual parece uma opção um tanto quanto estranha. Porém, essa é a nova aposta da rede de franquias Vivenda do Camarão: em 2015, a marca inaugurou um modelo de franquia de vendas pela internet.

O formato, chamado “Vivenda em Casa”, é uma forma de democratizar o camarão, defende o sócio-diretor Rodrigo Perri. Com investimento inicial de 30 mil reais, o franqueado trabalha em casa vendendo pratos prontos congelados, sobremesas e até frutos do mar in natura para o consumidor final, restaurantes, hotéis, bares e empresas.

Segundo a marca, o projeto incrementou a renda da rede em 500 mil reais desde sua fundação.

3. Cartão pré-pago para a cantina



A Nutrebem quer que escolas e pais acompanhem de perto a alimentação dos alunos e filhos. Criado em 2012, o negócio oferece um cartão pré-pago para as crianças gastarem na cantina da escola, junto com sugestões de itens saudáveis e relatórios personalizados por cada estudante.

“Isso reduz filas e os pais podem ver em tempo real a avaliação nutricional daquilo que seu filho está comendo. Além disso, estamos nos tornando uma fonte de pesquisas sobre alimentação infantil”, afirma Henrique Mendes Junior, fundador da Nutrebem.

O empreendimento atende cerca de 100 escolas particulares, analisando mais de 180 mil consumos por mês. Em 2016, o negócio faturou cerca de 870 mil reais.

4.  Casamentos celtas



A psicólogo Luciana Zanon resolveu criar um negócio bem inusitado para complementar sua renda: ela virou uma anfitriã de casamentos da cultura celta.

Tudo começou em 2009, quando uma amiga pediu a Zanon que organizasse um casamento do tipo. “Foi algo inusitado na época. Mas, por indicação de amigos de amigos, fui me especializando e hoje faço no mínimo uma celebração por mês”, conta a psicóloga.

A cerimônia é realizada por uma ritualista, após ser feito um estudo do casal. Todo o casamento reverencia os elementos da natureza, e é marcado pela simplicidade: os próprios noivos realizam os votos, por exemplo.

Um exemplo de público-alvo são os noivos de religiões distintas, que não querem ter de decidir por qual delas celebrar a união.

O pacote todo de casamento fica na faixa dos 2,5 mil reais. Apenas em 2016, a atividade extra rendeu um faturamento de 30 mil reais para a psicóloga.

5. Certificador de reviews



Quando você procura saber se um estabelecimento é bom ou não, provavelmente faz uma busca de opiniões na internet. Mas como saber se os avaliadores são realmente confiáveis?

A Trustvox é uma startup criada em 2014 que trabalha justamente com a certificação de reviews para e-commerces. “Nós fazemos auditoria de reviews escritos apenas por consumidores que realmente compraram em uma loja virtual. Assim, conseguimos assegurar veracidade das avaliações publicadas”, explica a CEO Tatiana Pezoa.

Segundo a empreendedora, 21% das opiniões publicadas nos sites de e-commerce brasileiros são feitas por pessoas que nunca compraram aquele produto ou naquela loja.

Hoje, mais de mil lojas usam o serviço da Trustvox. O negócio faturou 1,2 milhão de reais no ano passado.

6. Chopp sob medida



A empresa MyTapp quer facilitar a vida dos restaurantes de possuem choppeiras: o negócio desenvolveu uma tecnologia de automatização desses aparelhos.

Os clientes podem usar um cartão pré-pago para liberar o chopp na quantidade desejada, além de terem acesso a descrições sobre a bebida que escolherem. Os créditos podem ser carregados por meio de um aplicativo.

“Fornecemos uma experiência nova no consumo de chope: você pode beber quanto quiser e do estilo que quiser, pagando apenas pelo que pediu”, explicam os empreendedores João Paulo e Mateus Bodanese.

A MyTapp foi idealizada em 2014, mas só começou a vender no ano passado. O faturamento de 2016 foi de 700 mil reais, com a venda de 213 “Tapps” e mais de 30 mil usuários do serviço.

7. Comida ultracongelada



A Liv Up nasceu no começo de 2016 com a meta de oferecer refeições saborosas, saudáveis e práticas. Para isso, a startup contratou chefs e nutricionista para desenvolver pratos e lanches por meio da técnica de ultracongelamento.

O preço médio das refeições é de R$22, com a entrega agendada à tarde ou à noite de segunda a sexta-feira. Com ticket médio de 200 reais, o negócio faz mais de 1500 vendas por mês.

Apenas em 2016, a Liv Up faturou 2,8 milhões de reais.

8.  Coworking para quem tem filhos



A Casa de Viver é um coworking criado em 2015, com uma proposta inovadora: integrar pais e filhos no mesmo local.

Enquanto os adultos trabalham no andar de cima, os filhos ficam no andar de baixo, em um ambiente desenvolvido para eles e com cuidadores.

Segundo a idealizadora do projeto, Carina Borrego, o local ajuda a manter uma rede de contatos profissionais e um ambiente de trabalho enriquecedor, sem abrir mão do lado materno ou paterno. Basta descer as escadas para ver os filhos.

O Casa de Viver possui hoje 17 clientes, e em 2016 faturou 220 mil reais.

9. Dicas de finanças por SMS



Acessar os serviços de orientação financeira nem sempre é uma tarefa fácil – especialmente para as classes mais pobres. Mas e se essas pessoas pudessem receber dicas por meio do próprio celular?

Foi o que pensou a startup MGov Brasil, fundada em 2012. O negócio criou a solução Poupemais: um serviço de dicas orçamentárias por SMS.

“Enviando conteúdos e atividades simples referentes à educação financeira e gestão de gastos para uma população que muitas vezes não tem um acesso à internet de qualidade, é possível ajudar essas pessoas a conhecer melhor suas despesas, ter um consumo mais consciente e diminuir dívidas”, explica o empreendedor Rafael Vivolo. Saiba mais: [Planilha] Contas a pagar em sua empresa – Patrocinado

Como modelo de monetização, um banco, fundação ou empresa paga pela solução Poupemais e a disponibiliza para seus clientes e/ou funcionários. Em 2016, a MGov faturou 1 milhão de reais.

10. DJ especial para lojas



Não é de hoje que a música é usada como uma estratégia para vender mais: diversas lojas fazem uso de seleções personalizadas para estimular seus clientes a adquirir mais produtos.

A DMC Media, criada em 2009, é especializada justamente nisso: ela faz uma curadoria musical especializada para rádios corporativas. O negócio atende clientes como Arezzo, Fórum e Hope.

“Elaboramos uma rádio ‘indoor’, com uma seleção de músicas totalmente voltada para a marca em questão. Nós fisgamos o cliente e depois o conectamos ao estabelecimento, fazendo com que ele queira continuar no local – o que aumenta a possibilidade de compra”, afirma o empreendedor Hélio Brito Junior.

A DMC Media atende em média a 70 clientes ao mês. No ano passado, o faturamento foi de 1,1 milhão de reais.

11. Franquia de asfalto



A rede de franquias Único Asfaltos foi fundada em 2014 com um modelo de negócios inusitada: franquear pequenas usinas de produção de asfalto, para venda a granel.

O franqueado atende tanto clientes corporativos quanto governamentais (prefeituras, por exemplo), oferecendo o serviço de asfaltamento.

Em 2016, a Único Asfaltos acumulou 80 unidades franqueadas e um faturamento de 56 milhões de reais.

12. Franquia de capachos e tapetes



A Cooper Kap é uma rede de franquias criada em 2015 que se especializou em um setor diferente: seus franqueados atuam vendendo capachos e tapetes.

“É um modelo para quem quer trabalhar como autônomo, sem precisar trabalhar com produção e estoque ou investir em uma loja própria”, afirma o gestor de varejo e marketing Francisco Tramujas.

Cada franqueado vende o equivalente a, em média, 8,4 mil reais por mês. A franqueadora recomenda uma margem de lucro de 50% embutida no preço de cada item. A CooperKap faturou 2,5 milhões de reais no ano passado.

13. Jogo de escape



O empreendimento Puzzle Room foi fundado na República Tcheca, em 2014, com uma proposta inusitada: recriar os “jogos de escape”, famosos no computador, para a vida real.

Nesse tipo de game, os consumidores são trancados em uma sala e precisam resolver o mistério que a ronda se quiserem sair do cômodo – o que costuma envolver desafios lógicos e sensoriais.

Cerca de 1000 clientes são atendidos por mês pela Puzzle Room, com um ticket médio de 70 reais por pessoa.

“Focamos no que há de mais moderno em termos de escape game no mundo. O objetivo é criar games únicos, com roteiros inteligentes, dando uma experiência fora do comum”, afirma Rodrigo Matrone, CEO da Puzzle Room.

Apenas no ano passado, o negócio faturou 780 mil reais.

14. Locação de equipamentos de construção



Vários negócios estão apostando no aluguel como uma forma de reduzir os custos para seus consumidores e reaproveitar bens que ficariam ociosos. No caso da rede de franquias Inovar Locações, criada em 2011, o produto alugado é bem peculiar: containers e equipamentos de construção.

Os itens são usados não só em obras, mas para residências, depósitos comerciais e eventos, por exemplo. Cerca de 5 mil equipamentos por mês são alugados, e o franqueado é responsável por prospectar clientes e mediar essa transação.

Em 2016, a Inovar Locações faturou 10 milhões de reais.

15. Máquina de moedas para comerciantes



A startup Cata Company, criada em 2011, desenvolveu um equipamento para acabar com a falta de troco nos comércios.

Por meio do CataMoeda, o cliente é estimulado a depositar moedas em troca de cédulas, vale-compras e doações a instituições beneficentes. O consumidor sai ganhando por ter depositado moedas e, ao mesmo tempo, o comerciante consegue moedas para dar os trocos diários aos clientes.

Desde o início das operações do CataMoeda, em 2013, cerca de 125 milhões de moedas voltaram para circulação no comércio, diz a empresa. O equipamento está presente em cerca de 300 estabelecimentos e em 130 redes varejistas.

Em 2016, a Cata Company faturou 12 milhões de reais. Também se internacionalizou e abriu uma unidade de negócios na Flórida (Estados Unidos).

16. Padaria drive-thru



A Pão To Go é uma rede de padarias fundada em 2013 que funciona de forma inusitada: pelo modelo de drive-thru.

“É possível adquirir o pão, um dos alimentos mais presentes na nossa mesa, e outros itens de padaria sem descer do carro, sem procurar vaga no estacionamento, sem pagar guardadores, sem tomar chuva, sem carregar sacolas e gastando menos tempo em todo o processo”, explica o fundador da rede, Tom Ricetti.

Hoje, a rede de franquias conta com mais de 20 unidades em operação no Brasil. Também há máster franqueados nos Estados Unidos e em Portugal. O faturamento da Pão To Go em 2016 foi de 6 milhões de reais.

17. Pizza feita por você mesmo



A Oven Pizza é uma rede de franquia de pizzarias criada em 2014 que resolveu adotar alguns diferenciais, diante de um mercado tão tradicional e competitivo.

Nas lojas da marca, o cliente monta a sua própria pizza, podendo escolher entre os 30 ingredientes oferecidos. A Oven também afirma que a refeição fica pronta em menos de dois minutos.

Atualmente, o empreendimento possui sete lojas, entre próprias e franqueadas. Cerca de 35 mil clientes são atendidos por mês. Em 2016, o faturamento foi de 7,7 milhões de reais.

18. Reserva de hotel por hora



Uma grande ineficiência da maioria dos hotéis é que é preciso pagar, no mínimo, uma diária para se hospedar – mesmo que você só vá ficar algumas horas no estabelecimento.

A startup HotelQuando.com foi fundada em agosto de 2014 pelo empreendedor Pedro Xavier e quer mudar esse quadro. Por meio do site, é possível fazer reservas por pacotes de três, seis ou nove horas, por exemplo.

Para o usuário, o preço é proporcionalmente menor e não é preciso seguir os horários fixos de check-in e check-out do hotel. Ao mesmo tempo, o estabelecimento consegue preencher quartos ociosos. Cerca de 2300 reservas são feitas por mês.

A receita do HotelQuando.com vem quando o cliente que reserva o hotel paga uma taxa fixa à plataforma, de R$ 19,90. O faturamento em 2016 foi de R$ 2,5 milhões. Agora, a empresa está internacionalizando para a Colômbia e para os Estados Unidos.

19. Treinamento para quem curte energia solar



A Blue Sol Energia Solar é uma empresa criada em 2009 que trabalha com o desenvolvimento e a implantação de projetos de energia solar. Mas, além disso, o negócio também apostou na capacitação de empreendedores e de mão de obra para o setor.

De acordo com a startup, existe muita oportunidade no mercado. Quanto maior o número de empresas no setor, maior será o número de potenciais clientes para a Blue Sol.

“Nossos treinamentos não são restritos somente aos nossos parceiros. Já contabilizamos centenas de empresas que se formaram pela nossa plataforma, mas trabalham com outros parceiros e fornecedores”, afirma o sócio-diretor Luis Colaferro.

A empresa já capacitou mais de 7 mil profissionais. Em 2016, o faturamento da Blue Sol Energia Solar foi de 17 milhões de reais.

20. Uber de entregas



A Eu Entrego, criada em 2016, inspirou-se no modelo do Uber de economia colaborativa para fazer entregas mais baratas e eficientes. Por meio do aplicativo, usuários independentes podem pedir e realizar entregas para empresas e pessoas físicas, negociando entre si o valor do serviço.

Segundo a empresa, as entregas via aplicativo são em média 15% mais econômicas do que as realizadas com motoboys tradicionais ou Correios. Depois, é possível avaliar o serviço por meio do próprio aplicativo.

Cerca de 5 mil entregas por mês são feitas por meio da Eu Entrego. Apenas no ano passado, o negócio faturou 100 mil reais.





Por Mariana Fonseca - Exame